Tumores Tecidos Moles

Saiba mais sobre os tumores em tecidos moles.

A estrutura do corpo humano, além dos ossos, é composta por diversos tipos de tecidos como músculos, fáscias, tendões, ligamentos, gordura, vasos, nervos, pele, entre outros. Estes tecidos são chamados de partes moles e apresentam origens embriológicas e funções distintas. Tumores de partes moles (ou tecidos moles) são lesões que desenvolvem-se em tecidos não-ósseos com comportamento de maior ou menor agressividade. Devido à complexidade dos tipos histológicos dos tumores de partes moles, utilizaremos aqui uma divisão simplificada quanto ao seu  comportamento: tumores benignos, tumores benignos agressivos (intermediário ou comportamento incerto), e tumores malignos (sarcomas).

Sarcoma da Partes Moles no Ombro

Tumores Malignos de Partes Moles

O tumores malignos de partes moles são conhecidos como sarcomas de partes moles e são divididos de acordo com seu grau histológico em baixo grau,grau intermediário, e alto grau. Os sarcomas de baixo grau raramente apresentam metástases, mas podem recidivar localmente em boa parte dos pacientes. Por outro lado, os sarcomas de alto grau apresentam alto potencial para metástases em outros órgãos, e da mesma forma, alto risco para recidiva local do tumor. O tratamento dos sarcomas de partes moles varia de acordo com o seu tipo histológico, o estadiamento do paciente e a experiência do centro de tratamento. O tratamento com quimioterapia em altas doses pode ser uma alternativa para sarcomas de grau intermediário e alto. A radioterapia também é uma opção utilizada com frequência antes ou após o tratamento cirúrgico do tumor. Na maioria do casos de sarcomas de partes moles, o tratamento mandatório é a ressecção com margens amplas do tumor.

O diagnóstico dos tumores de partes moles é realizado pela equipe assistente através de um minuciosa consulta médica e exames complementares de estadiamento (definir o estágio e o tipo de tumor). De forma geral, os principais exames complementares são a Ressonância Nuclear Magnética para visualizar o tumor e planejar o tratamento, bem como a biópsia da lesão para definir o diagnóstico histológico e o grau da mesma. Além dos exames do tumor, também são fundamentais exames para identificar se a lesão é localizada ou metastática. Os exames mais comuns para o estadiamento sistêmico são a Tomografia Computadorizada de Tórax e Abdome Total e, em casos selecionados, o PET-CT. A partir do resultado destes exames, pode-se realizar o planejamento das melhores alternativas terapêuticas para o paciente em questão.

Tumores Benignos de Partes Moles

Os tumores de partes moles benignos crescem de maneira lenta e raramente retornam ao seu local original após a retirada cirúrgica. Mesmo em recidivas de lesões benignas seu comportamento não é agressivo.

O tumores benignos-agressivos (intermediários) crescem mais rápido, invadindo ou deslocando estruturas sadias que envolvem a lesão. Frequentemente são dolorosos e apresentam potencial de recidiva local mais acentuado. Tumores benignos-agressivos não costumam metastatizar, ou seja, não é comum espalharem-se pelo corpo do paciente. O  tratamento das lesões benignas-agressivas pode requerer a retirada de tecido sadio ao redor do tumor para prevenção de recidivas locais.

Hospital Moinhos de Vento
Rua Tiradentes, 333 / 11º - Porto Alegre.
(51) 3314-3434
Instituto Kaplan
Rua Olavo Bilac, 805 - Porto Alegre.
(51) 3012-7933

TOP
Dr. Ricardo Becker Médico Especialista em Sarcomas e cirurgias Ortopédicas Oncológicas.